A LÍNGUA EM TEMPOS DE CORONA - JORNAL FOLHA DO PARÁ

EXTRA

JORNAL FOLHA DO PARÁ

MAIS DE 24 MILHÕES DE ACESSOS - GLÓRIA A DEUS

ANUNCIE AQUI NESTE ESPAÇO ESPECIAL - MAIS DE 22 MIL ACESSOS POR DIA - "AQUI JESUS ABENÇOA"

test banner

Post Top Ad

Responsive Ads Here

quarta-feira, 13 de maio de 2020

A LÍNGUA EM TEMPOS DE CORONA


        Rafael Lucas Fernandes Costa
         PROFESSOR DE PORTUGUÊS DO CURSINHO POPULAR

Temos, muita das vezes, uma maneira de tratar a língua como se fosse uma pedra, rígida e sem maleabilidade. É comum até ver brasileiros falarem que não sabem falar. Isso é intrigante, como uma pessoa que não sabe falar a própria língua materna?

O problema maior em torno disso é sobre aceitação dos nossos vários tipos de ser falante da língua portuguesa no Brasil.

 A língua é maleável que nem água, a língua sofrerá mudanças onde quer que ela estiver. Isso nos faz refletir sobre a língua em tempos de corona.
 
Para começar, imaginem só, futuramente, quando todo esse caos passar, o que nos virá à cabeça quando a palavra ‘corona’ ser pronunciada. Sei deve estar imaginando, leitor, que seja gripe a vir primeiro, mas a questão da pandemia disputará os significados dessa palavra também.
http://www.folhadopara.com/2019/11/lojao-das-clinicas-inidade-marabapa.html
 Também tem o nome mais científico da gripe, o/a covid-19. Há um debate sobre como se trata a palavra, no masculino ou no feminino.
 
Quando colocamos o artigo no masculino, é o mesmo que dizer o vírus do covid-19; já no feminino, dizemos a pandemia do covid-19. O termo tomou conta da nossa rotina repentina e instantaneamente causando dúvidas sobre o como dizer.

Isolamento social. Não nos esqueceremos dessa expressão frequentemente mencionada pelos jornalistas, profissionais da saúde, políticos coerentes e dentre outros sujeitos.
 
Apesar de ser uma recomendação das autoridades de saúde, a desigualdade social e o “jeitinho brasileiro” de querer quebrar as regras impostas são os maiores fatores que contribuem para o não-isolamento.
 
Os defensores de isolar parcialmente amenizam os efeitos do novo corona vírus, agindo falaciosamente com a situação em questão conforme percebemos pela charge abaixo.
PATROCINADOR OFICIAL
DESTE JORNAL
 
Uma coisa é inegável: a língua não será a mesma no pós-corona. Na verdade, não só a língua, como tudo no mundo, sobretudo as lives de show.
 
Os dicionaristas vão ter que melhor descrever as próximas atualizações do dicionário de língua portuguesa, pois à maneira que a pandemia afetou intensivamente a nossa rotina, marca, assim, fortemente a necessidade de significar os acontecimentos do nosso mundo.
 
 
Raffael Lucas Fernandes Costa.  
====================================
    ================================
 OFERECIMENTOS  DOS  NOSSOS
PATROCINADORES ESPECIAIS

http://www.folhadopara.com/2020/04/farmaformula-confira-os-lancamentos.html

 
 


 
http://www.folhadopara.com/2020/01/oticas-helena-veja-as-fots.html
 
 
 http://www.folhadopara.com/2019/12/lojas-valdlar-em-maraba-veja-as-fotos.html
 
 
http://www.folhadopara.com/2019/12/tibirica-caca-e-pesca-veja-nossos.html
 
 
 
 
 
 
http://www.folhadopara.com/2019/11/dose-exata-farmacia-e-manipulacao.html
 
https://www.facebook.com/pg/bellabijumaraba/photos/?ref=page_internal
 
 
http://www.folhadopara.com/2019/11/para-limpo-representante-ecomaster.html
 
 
 
 http://www.folhadopara.com/2019/11/house-store-moda-masculina-veja-nossos.html
 
 




 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 


 
 
 


 




 
 
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

Responsive Ads Here