DOUTOR BUMBUM É PRESO PELA PM DENTRO DE CENTRO EMPRESARIAL NA BARRA DA TIJUCA VEJA.. - JORNAL FOLHA DO PARÁ

EXTRA

JORNAL FOLHA DO PARÁ

MAIS DE 17 MILHÕES DE ACESSOS

ANUNCIE AQUI NESTE ESPAÇO ESPECIAL - MAIS DE 22 MIL ACESSOS POR DIA - "AQUI JESUS ABENÇOA"

test banner

Post Top Ad

Responsive Ads Here

quinta-feira, 19 de julho de 2018

DOUTOR BUMBUM É PRESO PELA PM DENTRO DE CENTRO EMPRESARIAL NA BARRA DA TIJUCA VEJA..

O médico Denis Cesar Barros Furtado, conhecido como Dr. Bumbum, foi preso na tarde desta quinta-feira dentro de um centro empresarial na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio.
 



Ele foi preso por policiais do 31º BPM (Barra da Tijuca) após receberem informações do Disque-Denúncia.
 O Dr. Bumbum estava foragido desde domingo. Ele está sendo encaminhado para a 16ª DP (Barra da Tijuca). A mãe do médico, Maria de Fátima Barros Furtado, ainda está foragida. Os dois são suspeitos de envolvimento no procedimento que causou a morte a bancária Lilian Calixto, de 46 anos.

 


A namorada do Dr. Bumbum, Renata Fernandes Cirne, de 19 anos, foi presa no domingo, após a morte da bancária. Ela foi transferida na quarta-feira para o presídio de Benfica. Ela é acusada de ter participado do prodimento que terminou com a morte de Lilian Calixto.

Nesta quinta-feira, o Conselho Regional de Medicina do Distrito Federal (CRM-DF) cassou o registro do médico em um processo ético-profissional. A decisão ainda deve ser submetida ao Conselho Federal de Medicina (CRM), e cabe recurso.


Em março de 2016, o “Doutor Bumbum” foi alvo de uma interdição cautelar para o exercício da profissão, a qual foi suspensa três meses depois pela Justiça.


O CRM-DF informou que o processo é sigiloso e não deu detalhes sobre o caso. O médico também possui registro profissional no CRM de Goiás.

RELEMBRE O CASO
Lilian Calixto morreu na madrugada do último domingo, horas após ser submetida a um procedimento estético para aumentar o glúteo, realizado em uma cobertura na Barra da Tijuca. Segundo parentes, a vítima saiu de Cuiabá, no Mato Grosso, no sábado, dia 14, para realizar as aplicações de silicone com Denis. O procedimento teria custado R$ 20 mil.

Após a intervenção, a bancária teve complicações e foi encaminhada pelo próprio médico para um hospital particular, também na Barra, aonde chegou ainda lúcida, mas com taquicardia, sudorese intensa e hipotensão.

Ela teve quatro cardiorrespiratórias e não resistiu. A hipótese inicial levantada sobre as causas da morte seria embolia pulmonar, devido à aplicação de produto sintético.

O médico teria usado a substância PMMA na bancária. A sigla significa polimetilmetacrilato, material parecido com plástico, composto por microesferas e utilizado para fazer preenchimentos corporais e faciais. O produto é aprovado pelo Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), mas indicado para situações pontuais e em pequenas quantidades.



Leila Youssef para o Jornal Folha do Pará/Marabá
=================================================================================
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

Responsive Ads Here